Perda Auditiva por Ruído pode ser irreversível

pair-vertice-medicina-do-trabalho-marilia-

A palavra-chave em medicina do trabalho é prevenção – ou seja, conhecer as atividades que podem causar doenças ou acidentes e atuar de forma preventiva, afinal, as consequências da falta de prevenção podem trazer sérios problemas à saúde do funcionário, inclusive problemas irreversíveis.

Um exemplo disso é a PAIR (Perda Auditiva Induzida por Ruído) – problema causado pela exposição sistemática do trabalhador a níveis de pressões sonoros elevados, que além de problemas auditivos também pode gerar outros problemas, como alterações no sono e problemas neurológicos.

Essa perda auditiva tem duas características mais preocupantes: Ela progride gradualmente e OS DANOS SÃO IRREVERSÍVEIS. Além disso, há estudos que evidenciam que em gestantes que trabalham expostas a níveis elevados de ruído pode haver danos irreversíveis nos bebês.

O que se percebe é que os maiores problemas são causados a funcionários que trabalham expostos a uma média de 85 dB (A) – e se for trabalho e exposição contínua, o problema tende a ser pior.

QUAIS OS AMBIENTES MAIS PREJUDICIAIS?

Difícil encontrar um ambiente de trabalho que seja isento de ruídos – praticamente todos eles têm.

É claro que alguns lugares são mais suscetíveis para gerar ruídos que sejam prejudiciais, como construção civil, serralherias, casas noturnas, metalurgias, transporte, indústria têxtil, marcenarias, dentre outros.

Há ainda riscos de perda auditiva se estiver exposto a agentes químicos, biológico ou físico (no caso de vibrações ou de calor excessivo)

SINAIS DE PERDA AUDITIVA?

Muitas vezes o trabalhador pode não perceber que está sofrendo perdas na audição – daí a necessidade da ação preventiva.

Porém, em alguns casos podem ocorrer sinais e sintomas, como zumbidos (muito relatados), dificuldade para localizar ou ouvir sons, tonturas, irritação e estresse, dentre outros.

QUEM DEVE FAZER OS EXAMES AUDIOMÉTRICOS REGULARES?

Os exames audiométricos devem ser feitos por todos os trabalhadores que exercem ou que irão exercer seu trabalho em ambientes cujos níveis de pressão sonora ultrapassem os limites toleráveis que estão especificados nos 1 e 2 da NR 15 da Portaria 3.214 do Ministério do Trabalho – mesmo que já utilizem proteção auricular.

QUAL O PRAZO PARA REALIZAÇÃO DOS EXAMES?

O trabalhador deve fazer o exame no momento da admissão, no 6º mês após a contratação e depois uma vez por ano. Também é obrigatório fazer o exame audiométrico no exame demissional.

IMPORTANTE: caso o médico ou a empresa que coordenou o PCMSO julgue necessário, o intervalo entre um exame e outro pode ser diminuído.

O QUE MINHA EMPRESA DEVE FAZER PARA PREVENIR A PERDA AUDITIVA NOS FUNCIONÁRIOS?

Sua empresa deve obrigatoriamente treinar, sensibilizar e cobrar o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) quando necessário e providenciar a elaboração e o cumprimento do PPRA (Prevenção de Riscos Ambientais), do PCA (Programa de Conservação Auditiva) e do PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

Esses programas vão identificar precocemente problemas na audição ou perda auditiva nos funcionários, adequar sua empresa à NR7, reduzir os custos com insalubridade e é claro, proteger sua empresa contra reclamações trabalhistas.

IMPORTANTE: Todo caso de Perda Auditiva Induzida por Ruído é passível de notificação compulsória pelo SUS. Da mesma forma, todo caso de PAIR deve ser comunicado à Previdência Social, por meio de abertura da CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho).

 

SAIBA MAIS: para saber mais ou realizar ações em sua empresa, entre em contato conosco com a melhor clínica de medicina do trabalho de Marília e região.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *