Por dentro da Classificação de Schilling

Classificação de Schilling

Muitas empresas são surpreendidas quando um funcionário adoece e o relatório médico aponta: a causa principal da doença estava relacionada ao trabalho que o funcionário executa ou executava na empresa.

Além de consequências muitas vezes irreversíveis na vida das pessoas, situações como essa trazem muita dor de cabeça, problemas de ordem jurídica e também financeira à empresa.

DE OLHO NAS CAUSAS…

Para avaliar se o trabalho tem ou teve relação com a doença, peritos do INSS cruzam dados da doença com a natureza do trabalho utilizando uma referência chamada Classificação de Schilling.

Essa classificação divide as doenças em três grupos:

I – Doenças nas quais o trabalho é uma causa necessária – ou seja, o trabalho exercido pelo funcionário foi a única causa responsável pela doença.

II – Doenças nas quais o trabalho é um fator causal contributivo, mas não necessário – imagine um funcionário que desenvolva uma doença cardíaca. O trabalho, neste caso, pode ser um fator que contribuiu para o surgimento dessa enfermidade.

III – Situações nas quais o trabalho provoca uma desordem latente ou agrava uma doença estabelecida – neste caso, o trabalho contribuiu para o agravamento, mas não foi a causa em si. Por exemplo, imagine que um trabalhador com asma ou bronquite trabalhe em uma função onde haja muito pó ou outros resíduos. A função exercida irá com certeza agravar a situação da doença.

PREVENÇÃO E MONITORAMENTO

É por essa razão que uma avaliação rigorosa e um monitoramento constante realizado por uma empresa especializada em saúde ocupacional devem ser investimentos prioritários para toda e qualquer empresa, seja ela qual for o porte ou segmento de negócio.

Além de maior rigor e profissionalismo na admissão, levando-se em conta a natureza do trabalho e o perfil do candidato, é preciso avaliar setorialmente todas as funções para avaliar quais são os riscos existentes e oferecer alternativas para minimizar ou eliminar as possíveis causas de doenças.

Fazendo isso sua empresa estará cuidando do maior de todos os patrimônios que é a vida dos funcionários e é claro, atuando também para diminuir os riscos de processos trabalhistas.

 

CURIOSIDADE: a Classificação de Schilling a qual nos referimos neste artigo é uma referência a um médico inglês que, em 1984, apresentou um estudo revelando que as empresas do Reino Unido estavam subestimando a quantidade de doenças geradas pelo trabalho – ele instituiu essa classificação que é utilizada até hoje e que leva o seu nome.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *