De olho no açúcar: os riscos do diabetes

diabtetes - medicina - vertice - medicina-do-trabalho-marilia - sp

Em pouco mais de dez anos, o número de pessoas com diabetes no país aumentou mais de 60%, tornando-se uma doença que afeta cerca de 14 milhões de brasileiros.

Por se tratar de uma doença crônica e com potencial de causar grandes problemas à saúde, elencamos as principais questões relativas ao diabetes para que você compartilhe essas informações com sua equipe.

1. O QUE É DIABETES

medicina-do-trabalho-gestão-saude-ocupacional-vertice-mariliaO corpo humano produz um hormônio no pâncreas que é responsável por controlar a glicose (açúcar). Chamado de insulina, esse hormônio tem como função levar a glicose para as células para que ela seja utilizada como fonte de energia.

O diabetes acontece quando o consumo de açúcar é muito alto e a insulina presente se torna incapaz de metabolizar toda a glicose, ou quando a pessoa não produzir a insulina.

Esse alto índice de açúcar no sangue leva ao diabetes – e consequente às graves consequências que ela pode trazer à saúde.

2. QUAIS OS TIPOS DE DIABETES? 

  • TIPO 1: dentre os diabéticos do Brasil, algo entre 5% e 10% possuem o chamado Diabetes Tipo 1. Esse tipo do diabetes requer a aplicação de insulina todos os dias para manter os níveis de açúcar no sangue dentro dos limites aceitáveis.

Como é transmitida geneticamente, é muito importante que se faça exames regulares já a partir da infância, caso haja parentescos próximos que tenham ou tiveram a doença.

 Sintomas mais comuns do Tipo 1 

  • Emagrecimento fora do normal
  • Muita sede
  • Fraqueza
  • Vontade de urinar com mais frequência
  • Fome excessiva
  • Náusea e vômito
  • Cansaço
  • Mudanças de humor
  • TIPO 2: Se o diabetes Tipo 1 acontece por meio de fatores genéticos, a Tipo 2 está intimamente ligada ao seu estilo de vida. Pessoas que estão acima do peso, não possuem bons hábitos alimentares e são sedentárias, tornam-se sérias candidatas a ter este tipo de diabetes.

Neste caso, o controle se faz por meio de mudanças no estilo de vida ou por ministração de medicamentos – caso essas medidas não sejam adequadas ou não forem tomadas, também pode ocorrer a indicação da aplicação de insulina para controle do açúcar.

Caso não seja tratada adequadamente, o diabetes Tipo 2 pode se agravar e levar à chamada Latente Autoimune do Adulto – doença em que o próprio corpo começa a atacar a insulina (por isso o termo “autoimune”).

Sintomas mais comuns do Tipo 2

  • Algumas infecções se tornam mais frequentes, como bexiga, rins e pele
  • Sede excessiva.
  • Feridas levam mais tempo para cicatrizar
  • Pés e mãos formigados
  • Alterações na visão
  • Fome excessiva

NOTA: durante a gravidez, pode ocorrer aumento no nível de açúcar no sangue – por isso deve-se haver um controle do consumo de açúcar neste período, já que o diabetes gestacional pode trazer riscos tanto à gravidez e ao parto, como ao desenvolvimento do bebê.

3. COMO DIAGNOSTICAR O DIABETES?

Se por um lado a doença é grave e exige cuidados especiais, por outro o diabetes é de fácil diagnóstico, bastando apenas um exame que pode ser feito com um simples furo no dedo para coleta do sangue. Este exame é feito gratuitamente na rede pública de saúde.

Caso seja necessário, com base nesse resultado o médico poderá pedir exames mais aprofundados.

4. QUAL A IDADE MAIS COMUM PARA O SURGIMENTO DA DIABETES?

Antigamente, o diabetes era comum apenas em idosos – que têm maior probabilidade de acumular açúcar no sangue. Mas devido à má alimentação (rica em açúcar e gorduras) e ao sedentarismo, os brasileiros estão sendo diagnosticados com diabetes cada vez mais jovens – inclusive, com aumento de casos na infância.

5. QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS DA DOENÇA?

As consequências do diabetes são diversas e graves. O acúmulo de glicose acima de níveis pode trazer problemas nos rins – podendo inclusive levar à insuficiência renal, além de cegueira, infarto, amputação, impotência no caso dos homens, AVC, etc.

6. O QUE FAZER PARA EVITAR O DIABETES?

Como vimos, o diabetes Tipo 2 está direta e intimamente ligado ao estilo de vida. Por isso, tanto para evitar o problema como para combatê-lo, é preciso repensar seus hábitos e promover mudanças que vão ajudar você a se proteger não apenas do diabetes, mas também da hipertensão, doenças do coração, AVC e outras doenças, inclusive o câncer. E os dois itens principais são:

ALIMENTAÇÃO: muita gente acha que cortando doces e o açúcar do suco e do café estará se blindando contra o diabetes. Na verdade, itens como pães e massas (não integrais) e inclusive algumas frutas têm alto índice glicêmicos.

Assim, é importante ficar claro que uma dieta equilibrada varia de pessoa a pessoa – daí a importância de procurar por um profissional de nutrição, na rede pública ou particular, para ter uma orientação adequada da sua dieta.

diabetes-medicina-do-trabalho-vertice-medicina-do-trabalhoEXERCÍCIO FÍSICO: o sedentarismo é um dos grandes vilões para quem tem ou pode vir a ter o diabetes (além de outras doenças, como a hipertensão). Isso porque ao fazer exercícios você acaba utilizando a energia (glicose). E não precisa de muito… A orientação é de que uma caminhada de meia hora por dia já seria o suficiente. Mas é claro, isso varia de pessoa a pessoa e um profissional deve ser consultado. 

IMPORTANTE: quando o assunto é diabetes os exames e as consultas regulares são fundamentais. Para quem não tem diabetes, é importante acompanhar a glicemia para se manter dentro dos níveis regulares de açúcar no sangue. Para quem já é diabético, o controle deve ser ainda mais rigoroso e a periodicidade indicada pelo médico deve ser respeitada.

VEJA NO VÍDEO ABAIXO ALGUNS SINAIS DO DIABETES 

IMPORTANTE

Lembre-se de que todo e qualquer conteúdo relativo à saúde disponível na internet não deve ser utilizado como fonte de diagnóstico e tratamento. Procure SEMPRE por um médico e faça exames regularmente. 

Para saber mais sobre o diabetes, CLIQUE AQUI para saber mais no Ministério da Saúde.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *