Câncer de mama: tudo o que você precisa saber

vertice-medicina-do-trabalho-cancer-de-mama

Quase 60 mil mulheres devem ser diagnosticadas com câncer de mama no Brasil neste ano, segundo estimativas do INCA (Instituto Nacional de Câncer).

Depois do câncer de pele, o de mama é o mais comum, correspondendo a quase 30% dos novos diagnósticos todos os anos. No caso somente das mulheres, o câncer de mama é o que tem maior incidência.

Mas graças ao maior acesso à informação e ao diagnóstico precoce da doença, nos últimos anos a taxa de mortalidade do câncer de mama caiu mais de 40%.

Por essa razão, a Vértice Medicina do Trabalho também entrou nesta luta colaborando com a disseminação de informações para sensibilizar as mulheres sobre a necessidade de se conhecer mais as formas de prevenção do câncer de mama.

Compartilhe com sua família, amigos e equipes de trabalho.

 

O QUE É

É a multiplicação desordenada de células da mama que passaram por mutações genéticas e que originam um tumor maligno.

+ MULHERES

O câncer de mama pode atingir tanto mulheres como homens. Mas a maior ocorrência dos casos é em mulheres (homens representam apenas 1%). 

SINAIS DE ALERTA

Antes de falar sobre os sinais de alerta, é muito IMPORTANTE que as mulheres façam criteriosamente todas as consultas de rotina necessárias, conforme a idade, fatores genéticos ou indicação do seu médico.

De qualquer forma, caso perceba os sinais abaixo procure por uma unidade de saúde ou o seu médico.

  • Caroço (nódulo) fixo, endurecido e, geralmente, indolor
  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;
  • Alterações no bico do peito (mamilo)
  • Saída espontânea de líquido dos mamilos
  • Pequenos nódulos embaixo dos braços (axilas) ou pescoço

FATORES DE RISCO

  • Tabagismo
  • Uso de hormônios (TRH – terapia de reposição hormonal por tempo prolongado)
  • Obesidade (principalmente depois da menopausa)
    Colesterol (como esta é a gordura que serve de base para a produção do estrógeno, o colesterol acaba sendo um fator de risco).
  • Consumo excessivo de álcool
  • Menstruação precoce (no começo da menstruação a mulher passa a produzir estrógeno em maior quantidade – o que pode facilitar o aumento de células mamárias de forma desordenada).
  • Fatores genéticos (caso haja na família pessoas  passaram pelo câncer antes dos 35 anos de idade)

 

ESTÁGIO E TRATAMENTOS DA DOENÇA

  • Estágio 0:quando a doença esta restrita ao local onde começou (carcinomas in situ)
  • Estágio 1:a doença invadiu a região local, mas possui no máximo 2cm de tamanho (carcinomas invasivos = tem chance de mandar células para outras partes do corpo)
  • Estágio 2:a doença invadiu a região local, mas possui entre 2 e 5cm de tamanho e ínguas pouco comprometidas na axila (carcinomas invasivos)
  • Estágio 3:a doença invadiu a região local, mas possui tamanho maior que 5cm ou ínguas muito comprometidas na axila (carcinomas invasivos)
  • Estágio 4:quando a doença invadiu outras partes do corpo como: ossos, pulmões, fígado, etc.
Fonte: Hospital do Câncer de Barretos. NOTA: a maioria dos institutos utiliza o termo “Estádio”. Nós utilizamos neste artigo “estágio” da doença por se tratar do termo mais conhecido e utilizado.

 

Ao diagnosticar o câncer de mama, o médico avaliará vários fatores para determinar o tratamento adequado, podendo ser clínico ou cirúrgico.

Apesar de muitos sites tentarem especificar o tratamento para cada tipo de câncer, não há como precisar o que será feito, pois além do estádio e do tipo do tumor, é preciso observar a particularidade de cada paciente.

Assim, a indicação do tratamento é algo individualizado e não pode ser genérico para todos os pacientes.

 

COMO EVITAR

O câncer de mama, assim como outros tipos de câncer, pode ser evitado por meio de hábitos saudáveis. Aliás, estima-se que aproximadamente 30% dos casos poderiam ser evitados com a adoção de seguintes práticas:

  • Alimentar-se de forma saudável (veja o vídeo abaixo) 
  • Manter o peso corporal adequado
  • Praticar atividade física regularmente
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
  • Não fumar
  • Evitar uso de TRH por tempo prolongado

MAMOGRAFIA

Estima-se que uma em cada 10 mulheres desenvolverão o câncer de mama. E como já vimos, a descoberta precoce do problema aumenta e muito as chances de cura. E uma das formas de se diagnosticar o câncer de mama é por meio da mamografia – que sendo feita de forma regular, conforme a indicação médica, pode reduzir em 30% as mortes do câncer de mama

Trata-se de um exame de imagem (por meio de Raios-X) que identifica alterações na mama – e é considerada a melhor forma de detectar o câncer bem no seu início.

Mulheres a partir dos 40 anos de idade devem começar a fazer a mamografia uma vez por ano por. Mas caso possua alguém que passou por câncer de mama na família (parentes de 1º grau), o ideal é que se comece a fazer os exames dez anos antes – mas sempre, é claro, mediante a orientação do médico.

Caso seja necessário, o médico irá indicar a ultrassonografia para uma avaliação mais profunda.

CÂNCER DE MAMA E DIREITOS TRABALHISTAS

Por incrível que pareça, afastamento por câncer não garantem estabilidade de emprego no momento do retorno ao trabalho. Porém, há duas boas notícias.

Muitos tribunais estão sim considerando ato de discriminação demitir funcionárias com doenças consideradas graves, como o câncer de mama.

Além disso, um projeto de lei (PLS 14/2017) que tramita na Câmara Federal desde o ano passado, prevê a garantia da permanência no emprego por pelo menos um ano após o fim do período de auxílio-doença, no caso de portadores de câncer.

Assim, é importante que as organizações não governamentais e o próprio cidadão redobrem as cobranças, seja via redes sociais ou e-mails de apoio, para que este projeto seja transformado em lei.

LEIS E GARANTIAS

Clique para conferir na íntegra as legislações

 LEI Nº 11.664, DE 29 DE ABRIL DE 2008: Dispõe sobre a efetivação de ações de saúde que assegurem a prevenção, a detecção, o tratamento e o seguimento dos cânceres do colo uterino e de mama, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS.

LEI Nº 8.922, DE 25 DE JULHO DE 1994: Acrescenta dispositivo ao art. 20 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, para permitir a movimentação da conta vinculada quando o trabalhador ou qualquer de seus dependentes for acometido de neoplasia maligna.

LEI Nº 9.797, DE 6 DE MAIO DE 1999: Dispõe sobre a obrigatoriedade da cirurgia plástica reparadora da mama pela rede de unidades integrantes do Sistema Único de Saúde – SUS nos casos de mutilação decorrentes de tratamento de câncer

 

IMPORTANTE

Não fique na dúvida e lembre-se SEMPRE que quanto antes for diagnosticado o câncer maior será as chances de cura.

Fale sobre este assunto com seu médico.

Você merece viver mais… Você merece viver melhor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *